Google teria foto misteriosa da filha de Bill Gates, Jennifer Katharine Gates

De tempos em tempos, fotos que seriam da filha mais velha de Bill Gates têm ressurgido na web.

Será que as imagens são dela?

O Google diz que sim.

Está errado.

Fotos de Bill Gates e sua possivel Filha

Fotos de Bill Gates e sua possivel Filha

O nome da herdeira do império Windows é Jennifer Katharine Gates.

Ela nasceu em 1996 e tem 13 anos, o que dá um certo tom de pedofilia na história toda.

As imagens da bela garota circulam em fóruns ou blogs e sempre vêm acompanhadas de algum comentário do tipo “Eu namoraria, mas o problema é que moro longe” ou “Nossa, com essa idade ela parece uma mulher.

Não é mais adolescente” e também o muito sutil “I want to love her so much”.

Crimes à parte (ferro neles, Polícia Federal), o fato é que uma busca no Google por “Jennifer Katharine Gates” mostra uma seleção idêntica de fotos da menina e uma outra imagem dela, ainda bebê, no colo do pai.

O problema fica maior ainda no Google Images, que confirma se tratar da adolescente.

Com isso, o buscador mais famoso do mundo ajuda a perpetuar uma mentira.

Não, ela não é a filha de Gates.

General Protection Fault para o Google (foi uma licença poética, puristas).

O que redime (apenas em parte) o pessoal de Mountain View é que, quem for atrás de mais informações sobre a história acabará descobrindo a verdade.

A mulher que está na imagem é uma atriz de 29 anos chamada Rachael Lee Cook.

Ela começou a carreira como modelo, aos 10 anos, e tem uma vasta carreira no cinema.

Ao que parece, não esteve ainda em nenhum grande sucesso de bilheteria.

Fim de papo.

É importante notar que, se muitos sites reproduzirem uma mentira, como no caso aqui discutido, ela vira verdade no Google.

Quantos internautas vão ficar com a pulga atrás da orelha e pesquisar a fundo a história?

Poucos.

Há, por isso, um potencial enorme no buscador para destruir reputações ou causar danos morais.

O algoritmo parece não conseguir dar conta de boatos, mentiras e falsas acusações.

É bom que os engenheiros contratados a peso de ouro por Larry Page e Sergey Brin comecem a pensar seriamente sobre o problema.

E nem venham me dizer que o Google não tem nada com isso – se for assim, os jornalistas que erraram no caso Escola Base também são inocentes.

Fonte: Info

Depois do Bing, do Office 2010 e do Windows 9, Microsoft lança concorrente para o Youtube com download de vídeos

A Microsoft anunciou oficialmente nesta quarta-feira que descontinuará o desenvolvimento do site de vídeos Soapbox, uma plataforma lançada em 2006 que oferecia a possibilidade de compartilhar vídeos criados por seus usuários e competia diretamente com o YouTube.

Serviço da Microsoft poderia ser concorrente do Youtube

Serviço da Microsoft poderia ser concorrente do Youtube

Erik Jorgensen, vice presidente do MSN e chefe de tecnologia e mídia, disse que o Soapbox era responsável por apenas 5 por cento dos 480 milhões de streaming de vídeo que ocorrem no MSN Video por mês.

Em junho, o MSN Video apresentou seu melhor mês com 250 milhões de streamings.

Quando comparado com o YouTube os números assustam: o site de compartilhamento de vídeos do Google apresenta 1.2 bilhão de streamings por dia.

A empresa comandada por Steve Ballmer também informou que o serviço será desativado no dia 31 de agosto e os vídeos não estarão mais disponíveis aos usuários.

Se você quiser manter uma cópia pessoal, lembre-se de fazer o download dos vídeos antes da data limite.

Seria mais um passo da Microsoft para tentar assustar o poderoso Google.

Mais concorrencia, melhores serviços.

Fonte: GoogleDiscovery

Onde a Google vai parar. Google estaria planejando um Sistema Operacional on-line?

O Google Docs começou a exibir sinais nesta quinta-feira dia 23 de Julho de 2009, de que poderá realmente englobar o aguardado Google Drive uma plataforma gratuita de armazenamento de arquivos on-line.

Ou seja, você utiliza o Google como um servidor de backup, como a Pasta Meus Documentos do computador.

Com esse paço, a intenção de tornar todos os aplicativos de escritório, seu editor de texto “Word”, sua planilha de cálculos “Excel”, suas apresentações de Slides “PowerPoint”, além de imagens, vídeos, ou seja, tudo que você tem no seu computador, rodando on-line em qualquer lugar.

Novo Google Docs

Novo Google Docs

Nada mais de CDs de backup, Pen Drives ou qualquer outra modalidade de armazenamento que você conhece, para guardar ou mesmo transportar seus arquivos, tudo será armazenado e alguns editados on-line, de qualquer computador, em qualquer lugar do mundo, exatamente côo seu e-mail.

Essa tendência está começando a conquistar o mundo, pois já existem versões on-line do Photoshop, a própria Microsoft já anunciou que disponibilizara a versão on-line do seu Office 2010.

E não para por aí: duas imagens encontradas no código-fonte do Google Docs revelam parcialmente algumas das funcionalidades: um ícone de pasta com o logotipo do Chrome, “Chrome OS hospedará os arquivos no Docs?”, e um ícone do YouTube , uma indicação de uma futura  integração entre o Docs e o site de compartilhamento de vídeos.

PS: Enquanto os novos rumores explodem, o nosso leitor Yuri Marchesini Andrade descobriu que o Google Brasil é atualmente dono do domínio gdrive.com.br.

Fonte: GoogelDiscovery

Depois de Obama agora é a Inlgaterra que está no Twitter

Confira no Blog da Escola de Informática CSS TI:  Governo inglês incentiva seus funcionários a utilizarem o Twitter.

Confira essa muitas outras dicas no Novo Blog da CSS TI

http://www.wordpress.cssti.eti.br/?p=1175

Já está funcionando serviço de doações on-line para políticos

Calma é no Japão.

De acordo com o site G1, faltando um mês para as eleições japonesas, os eleitores já podem fazer doações políticas on-line, por um novo serviço lançado pela Rakuten Inc., maior empresa varejista de internet do Japão, informou o porta-voz da companhia, Hirotoshi Kato, nesta terça-feira (28).

Inicialmente, 73 políticos – entre defensores da situação e da oposição – se inscreveram para o serviço chamado “Love Japan”, que começou esta semana, de olho nas eleições de 30 de agosto, disse o porta-voz.

Serviço já está disponível no Japão há um mês

Serviço já está disponível no Japão há um mês

De acordo com as leis japonesas, os políticos podem aceitar doações de indivíduos, mas não de empresas, que só podem doar para os partidos políticos, em suas seções locais ou em fundos políticos especialmente designados para esse fim.

Nos últimos escândalos de financiamento de campanha ocorridos no país, empresas fizeram uma série de doações ilegais para os políticos.

Entre as irregularidades, as empresas chegaram a inflar os salários de seus empregados com o intuito de que esses funcionários repassassem o valor excedente aos políticos como doações individuais.

Muitos acreditam que, nos Estados Unidos, as doações on-line podem ter ajudado a levar o presidente Barack Obama à Casa Branca.

E o governo japonês recebeu bem o novo serviço, acreditando que o “Love Japan” poderá trazer um grande avanço no incentivo a doações individuais no país, segundo informou o porta-voz Takeo Kawamura.

Depois de Obama, Gordon Brown também incentiva o uso do Twitter

Para aqueles que aidna resistem ao Twitter, depois da casa Branca anunciar pelo Twitter, entrevista de Obama, chegou a vez da Grã-Bretanha o mais novo país a entrar na onda de usar o Twitter para divulgar ações governamentais.

O departamento britânico de Negócios, Inovação e Habilidade publicou nesta terça-feira dia 28 de julho de 2009, um manual com instruções sobre o uso do serviço de microblogs por órgãos públicos.

O documento, de mais de 20 páginas, instrui os funcionários públicos a serem “humanos e verdadeiros” em seus perfis no Twitter e a escreverem em “um inglês informal”.

Nós também estamos no Twitter

Nós também estamos no Twitter

Também aconselha os departamentos a produzirem entre dois e dez textos por dia no Twitter, com intervalos de pelo menos trinta minutos entre cada.

O manual afirma que o Twitter pode ser utilizado para diversos fins, desde anúncios oficiais até pronunciamentos de ministros, e, em caso de crise, pode se tornar “um canal fundamental” de comunicação.

O documento também alerta os funcionários a evitarem seguir usuários desconhecidos, pois este comportamento poderia ser mal interpretado.

O gabinete do primeiro-ministro, o Foreign Office e alguns deputados já utilizam o Twitter para divulgar suas ações na internet.

O primeiro-ministro Gordon Brown, por exemplo, tem mais de um milhão de seguidores em seu perfil no Twitter.

Posts relacionados:

Trocar o papel de parede do seu Twitter…

A Microsoft indexa Twitter ao Bing, seu novo buscador.

Twitter permite mostrar aceitação de marcas

Tudo sobre Twitter

A publicidade na Web estudada a fundo pela Disney

Uma técnica de laboratório usando um avental preto estava observando o homem baixinho e de meia-idade acomodado em uma poltrona no sigiloso centro de pesquisa da Disney em Austin, certo dia da semana passada.

A técnica pediu que ele lesse a ESPN.com na tela de um BlackBerry, com uma voz calma, como a de uma enfermeira prestes a tirar sangue de um paciente para exame.

Na verdade, a técnica e seus colegas de pesquisa estavam ansiosos para determinar de que maneira o homem reagiria a anúncios de diferentes tamanhos.

Até que tamanho os banners poderiam ser reduzidos e continuar chamando a atenção de um usuário?

Como outras companhias de televisão, a Disney Media Networks, que inclui as divisões ABC, ESPN, ABC Family e Disney XD – há muito conduz pesquisas intensivas com consumidores quanto à sua programação.

Mas agora, à medida que a web e gravadores digitais de vídeo destroem o modelo de negócios televisivo tradicional ao alterar a forma pela qual as pessoas assistem TV, a companhia está concentrando mais a atenção nas pesquisas sobre publicidade.

A Disney revelará algumas das primeiras constatações do laboratório, entre as quais alguma surpresas quanto a novos formatos de anúncios online, nesta terça-feira, em apresentação diante de cerca de 200 anunciantes em Nova York.

Publicidade estuada a fundo

Publicidade estuada a fundo

A Disney e outras empresas afirmam acreditar que não haja conhecimento suficiente sobre os milhões de usuários que contemplam a publicidade em uma tela de forma passageira, mas se interessam em clicar nela para ver o conteúdo, que tipo de anúncios e que configurações específicas têm mais chance de atraí-los e retê-los.

Entre as descobertas dos pesquisadores está o fato de que, no que tange aos vídeos online, os anúncios “voadores” que surgem ao lado do player de mídia oferecem a mesma eficiência das transparências exibidas por sobre o conteúdo, mas são considerados menos intrusivos.

E manter o letreiro noticioso na parte inferior da tela durante os comerciais da ESPN não prejudica os comerciais, pois as pessoas só olham para o letreiro durante 12,6% do tempo do intervalo, e na verdade até ajuda a reter a atenção dos espectadores no período.

Fonte: Terra