Você sabia que se processar o seu ex-patrão pode ter dificultar para se recolocar no mercado

Possuir processos trabalhistas contra ex-empregadores pode dificultar recolocação no mercado de trabalho. O alerta é de advogados que têm sido procurados por trabalhadores que se julgam prejudicados em processos de seleção por já terem entrado na Justiça contra ex-patrões.

Um destes trabalhadores, Paulo Roberto Salvador, chegou a recorrer à Justiça na tentativa de obrigar um site de buscas a não exibir como resultado à pesquisas por seu nome, sites que fazem referência a três processos trabalhistas que ele move contra ex-empregadores.

Entretanto, o pedido foi negado. No último dia 12, o Tribunal de Justiça de São Paulo analisou o caso e entendeu que não poderia impor ao site de buscas a omissão dos resultados porque, entre outros motivos, as informações sobre os processos eram verídicas e não estavam em segredo de Justiça.

Os advogados alertam que o fato da internet possibilitar às empresas pesquisar os processos trabalhistas em nome de um cidadão não deve fazer com que este evite de procurar a Justiça quando se sentir prejudicado por um patrão, mas deve tomar cuidado para não ajuizar uma ação desnecessária.

“Durante muito tempo partia-se do princípio de que o trabalhador sempre tinha razão. Sabendo disso, advogados até orientavam empresas a ceder ao pedido do funcionário ou ex-funcionário mesmo que este estivesse errado. Mas a Justiça tem mudado e coibido esses abusos. É nestes casos que as empresas estão de olho”, esclarece Alberto Rocha Silveira, especialista em Direito do Trabalho, que já recebeu pelo menos uma dezena de trabalhadores que se dizem prejudicados por terem movido processos contra empresas.

 Paulo Sanches, advogado trabalhista, conta que este ano conseguiu a absolvição de uma empresa processada por um candidato que pedia indenização por danos morais, após ter sido reprovado em uma seleção. “O candidato havia movido um processo contra dois ex-empregadores e em ambos havia sido condenado por litigância de má-fé. A empresa simplesmente avaliou se esta conduta condizia ou não com o que ela espera de um funcionário. Esta discricionariedade é um direito dela”, ressalta o advogado.

Relacionados:

O que as empresas podem exigir na hora da seleção

Demissão por justa causa, como evita-las ?

As profissões do futuro. Quais seriam ? Estudo apresenta as principais.

Paulo Sanches, que atua do lado das empresas, ressalta que o mero fato de ter um processo contra um ex-patrão não desabona um candidato. “Para a empresa, um processo trabalhista, que pode ser visualizado no site de um tribunal, pela internet, tem o mesmo peso de uma rede social, como o Facebook. São as informações nele contidas que podem contar contra ou a favor do candidato, até porque se não for assim, a empresa realmente pode ter complicações na Justiça”.

Desafio é provar

 “Para os candidatos que realmente se sentem prejudicados pelo mero fato de ter processado um empregador, o maior desafio é provar que os processos foram o motivo da não aprovação”, afirma Marcelo Parente, também advogado trabalhista. Ele aponta que na maioria das vezes as empresas não informam ao candidato o porquê de sua reprovação.

“Por incrível que pareça ninguém está preparado para o desemprego. Pesquisas apontam que o tempo médio para uma pessoa se recolocar no mercado é de doze meses. Mas a maioria dos trabalhadores que já moveram uma ação trabalhista contra um patrão, após o segundo mês sem trabalho já começa a achar que é por causa disso que não consegue uma nova oportunidade. É preciso evitar a ‘sindrome do processo contra o ex-patrão”, afirma Paulo Sanches.

Fonte: MSN

5 comentários sobre “Você sabia que se processar o seu ex-patrão pode ter dificultar para se recolocar no mercado

  1. Desculpe, não concordo, as empresas nem sempre cumprem a legislação (dissídios coletivos, acordos sindicais, etc…) devem sim ser chamadas para reparar os seus desmandos, as vezes um bom acordo para ambas as partes seja o justo e coerente! A maioria das empresas são serias e cumprem a legislação trabalhista, fica a critério do profissional, cada caso deve ser analisado por um bom advogado. Abraço.
    Edison Nascimento Webster – Novo Hamburgo/RS
    acadêmico na ESCOOP/SESCOOP- Porto Alegre
    Gestão em Cooperativismo

  2. Imagina o tipo de empresa que é esta. Se a empresa está em conformidade com a lei, deveria contratar alguém que corre atrás de seus direitos e cumpre seu papel de cidadão.
    Empresa de rabo preso jamais fará contratação de um candidato que exige o correto.

  3. Pingback: Profissões que mais ocasionam depressão e por que « W and D
  4. Pingback: Segmentação dos clientes ou separando o joio do trigo « W O D Consultoria

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s